segunda-feira, 22 de junho de 2009

BG da semana

Ainda o nosso papo sobre Carmem Miranda

Muita gente pode dizer que o som que Carmem Miranda fazia está um pouco ultrapassado. Eu, particularmente, discordo desse ponto de vista. A própria formação de Carmem foi para ficar gravada na memória, guardando no peito as imagens, gestos e danças que a Embaixadora da música fazia. O carnaval sem “mamãe eu quero”; “Taí, eu fiz tudo pra você gostar de mim”, não tem a mínima cara de carnaval. Os grandes bailes, eternizados pelos risos nas brincadeiras de lança-perfume, nas insinuações de conquista e toda aquela agitação de está fazendo o transgressor, romper com o tradicional, só existiram como tal a partir das marchinhas de Carmem Miranda. Então, para lembrar ou idealizar essa época, para alguns, vale a pena conferir um som da Carmem, no BG da semana.


Há 90 anos nascia o maior Boêmio do Brasil.

“Este país não tem memória”, já dizia Nelson Gonçalves. Para desmistificar um dos maiores nomes da música brasileira, o BG da semana será bem saudosista. Fiz a crônica de ontem sobre a importância de Carmem Miranda tanto para música quanto para a política e hoje, no BG da semana, faço uma volta na história para falar de Nelson Gonçalves, o maior boêmio do Brasil.
Nasceu com o nome de Antônio Gonçalves, a 1° de Junho do ano de 1919. Filho de imigrantes portugueses, Gonçalves nasceu em terras do Sul do país e logo em seguido se acomodou no Brás, bairro de São Paulo, onde viveu pelo resto de sua vida. Vítima de uma gagueira muito intensa, Antônio ganhou o apelido de Metralha, porque além da gagueira, cuspia nos amigos enquanto falava. Para vencer um pouco essa adversidade, ingressou em aulas de canto e o professor foi logo percebendo que a postura da voz de “Metralha” se encaixava perfeitamente nas músicas populares.
Ganhou o nome de Nelson Gonçalves porque Antônio era muito pesado para um cantor popular. Enfrentou grandes problemas, principalmente na vida particular. No final da década de 1950, Nelson cai no vício – cheirava cocaína- e sai completamente da música. Até que sua secretária, Dona Maria Luiza Ramos, tira-o da sarjeta, colocando-o em reclusão por seis meses. A volta do Boêmio foi marcada por uma grande superação e um Nelson mais atuante na música, favorecendo oportunidades para novos compositores, como Lulu Santos. Para não dar razão a afirmação do próprio Nelson, lembramos esse boêmio que, ontem, dia 20 de Junho, estaria completando 90 anos de vida. Para lembrar o Sinatra brasileiro, cantaremos Nelson Gonçalves, no BG da semana.

Justificar video

Nenhum comentário:

Postar um comentário